Diga não à erotização infantil!

29/09/2011 21:59

 

Criança tem que ser criança - Diga não à erotização infantil!

   

Queridos, esse não é o único programa que exagera em relação aos pequeninos, tem outro, até mais famoso; é até um programa bom, mas ocorrem alguns fatos assim também. Um menino (deve ter seis ou sete anos de idade), ao responder uma pergunta do apresentador, declarou que achava uma menina (também presente no programa) bonita, até aí tudo bem, mas a plateia começou a gritar: Beija! Beija! Beija! As crianças fizeram o sinal negativo com a mão. O beijo não foi incentivado pelo apresentador; contudo, o fato da plateia gritar isso, retamente é de admirar!

Criança tem que ser criança, na minha época eu dançava muito também, mas eram músicas infantis. Agora fui a uma festa infantil e fiquei olhando as crianças dançando músicas cujas letras nem posso mencionar aqui, meninas pequenas dançavam sensualmente fazendo caras e bocas (literalmente falando). Onde estão as músicas infantis? Não estou falando das músicas evangélicas, mas das músicas seculares, não existem mais? Onde estão as roupas infantis? Meninas de cinco ou seis anos se vestindo e se pintando como mulheres. O mundo tem tentado acabar com a inocência dos pequeninos. Começando cedo a dançarem e a se comportarem como adultos, cada vez engravidando mais precocemente, um ciclo que não terá fim se continuarmos achando – TUDO NORMAL ou simplesmente NADA A VER.

Crianças não precisam gostar de música antiga, como eles dizem: “música de vellho”; entretanto, precisa haver uma filtragem por parte dos pais, pois quanto mais cedo à criança perder a inocência pior será.

Veja a opinião da psicóloga Fernanda Roche - “Os meios de comunicação, que nos bombardeiam com programas de baixa qualidade, músicas erotizantes e danças de igual quilate, são hoje um grande impasse na educação de nossos filhos. Como evitar que a criança seja vítima desta superexposição inadequada do sexo e que assim se sexualize precocemente? O mais importante, atualmente, é que os pais tenham claro o tipo de orientação que desejam para seus filhos, e que lhes ofereçam outras opções de entretenimento. Buscar programas interessantes que estejam de acordo com a sua faixa etária, comprar discos infantis e roupas que estejam de acordo com sua idade são medidas que, se não evitam de todo, uma vez que a criança vive entre outras, ajudam a formar uma educação sexual mais adequada, garantindo-lhes no mínimo maior proteção. É preciso ainda que os pais fiquem atentos às mensagens contraditórias: estimular excessivamente as crianças no sentido do amadurecimento precoce, "queimando etapas", pode ser perigoso, pois elas podem perder o interesse por brincadeiras infantis, passando a imitar comportamentos adequados a "mocinhas e rapazinhos", o que inclui invariavelmente seus aspectos sexuais.”